Google Tag Manager

domingo, 17 de novembro de 2013

O que e fibromialgia

O que é fibromialgia?


FIBROMALGIA TORTURA MAIS DE 4 MILHÕES DE PESSOAS NO PAÍS
Postado por Sonia Gomes em 17 novembro 2013 às 15:00
Fonte: 
http://aluisionestelar.ning.com/profiles/blog/show?id=2184342%3ABlogPost%3A1765991&xgs=1&xg_source=msg_share_post

Daniel Feldman médico reumatologista

Essa doença caracteriza-se por dores no corpo, fadiga e alterações no sono. Ataca sobretudo mulheres, mas pode ocorrer também em homens. Não se sabe a causa, mas acredita-se que seu cérebro, pela diminuição da serotonina, perde a capacidade de regular a dor e os impulsos são interpretados erroneamente. Calcula-se que atinja 3% das mulheres e 0,5% dos homens adultos.

Fibromialgia é uma síndrome dolorosa crônica sem inflamação. O paciente sente dores no corpo inteiro. Não consegue nem dizer onde é, porque logo a dor aparece em outro local. Para caracterizar-se a doença, porém, é preciso haver dor por pelo menos três meses.

Dois outros sintomas estão presentes em mais de 80% dos casos: fadiga incapacitante e distúrbio do sono. Altera a qualidade, não a quantidade. Mesmo dormindo normalmente, o paciente diz que dorme mal e acorda cansado.

Doentes queixam-se, ainda, de formigamento principalmente nas mãos, nos pés e no meio das costas; sensação de inchaço; dores de cabeça; alterações no do intestino – ora está preso, ora apresenta diarréia.

A fibromialgia é uma doença predominamente feminina – a proporção é de 20 mulheres para um homem. Manifesta-se em qualquer idade, mas sobretudo entre os 40 e os 60 anos. Talvez em decorrência da diminuição dos hormônios femininos na menopausa.

Acredita-se que esses pacientes percam a capacidade de regular a sensibilidade dolorosa. O controle da dor é feito pela serotonina, substância produzida no próprio cérebro. Sabe-se que os portadores de fibromialgia têm menos serotonina. Assim, muitos dos impulsos que chegam e saem do cérebro são identificados erroneamente como dor.

A diminuição de serotonina pode ser provocada por infecções virais, traumas físicos e emocionais graves. Essas causas se misturam nos pacientes e não dá para precisar qual a que provoca a doença.

Além do mais, mulheres que têm fibromialgia são perfeccionistas e detalhistas. Até ficarem doentes, são as melhores no trabalho, supermães e supermulheres em casa.
Quando se iniciam os problemas, desmoronam e a auto-estima desaba. Quanto mais a perdem, mais aumentam os sintomas.

Chegam ao consultório apavoradas. Têem dor há muito tempo, nenhum médico descobre do que sofrem e acham que vão morrer. Às vezes, concluem que não podem estar com doenças graves há tanto tempo e não ter acontecido nada. Além do mais, amigos e familiares dizem que não têem nada e estão inventando. Passam a se achar loucas. Apavorando-se. A situação complica-se pois passam por muitos médicos, que, desinformados, não identificam a doença e dizem que o problema é somente psicológico.

Calcula-se que a doença atinja 3% das mulheres e 0,5% dos homens adultos nos Estados Unidos. Estima-se que os números do Brasil sejam iguais, o que daria mais de 4 milhões de pacientes.

Pessoas que tenham dores freqüentes, não identificáveis, devem procurar um reumatologista. Não se pode dizer que fibromialgia tenha cura, pois não se sabe a causa. Mas é possível controlá-la.

A doença não é identificável com exames. O diagnóstico é sempre clínico. O médico faz um exame físico no paciente. Há 18 pontos doloridos no corpo dos fibromiálgicos, como o músculo trapézio, nos ombros; dos dois lados do pescoço; dos glúteos; na região das juntas dos braços e das pernas, entre outros. Dores em 11 pontos são indicados como fibromialgia. Mas isso não basta. È preciso fazer exame de sangue para detecção de doenças que causam dores generalizadas, como o , o câncer e os problemas da tireóide.

Quando o médico detecta a fibromialgia,e deixa claro para o paciente que ele não é louco, já ocorre 20% de melhora. Melhora mais 20% quando fica sabendo que, apesar de dolorosa, a doença não mata. Os outros 60% a medicina nem sempre tem cura.

O único tratamento eficaz para a diminuição da fadiga e das dores e a regularização do sono são exercícios aeróbicos, como caminhar. Reequilibram o sono, elevam o nível de serotonina e melhoram a produção de hormônios femininos. Tem de ser feitos a vida toda.

Igualmente importante é uma mudança de atitudes pelos doentes. Não podem continuar perfeccionistas e detalhistas, exigindo-se demais. É fundamental, ainda, continuar no emprego. Deixá-lo poderia causar baixa ainda maior de auto-estima.

Essas medidas resolvem de 50% a 60% dos casos. Para o restante, é necessário o uso de medicamentos. O principal é o antidepressivo tricíclico em doses baixas. Eleva os níveis de serotonina e funciona como analgésico.

Revista Caras – 1998 – Edição 247 - nº 31

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Marque uma consulta comigo

Agenda