Google Tag Manager

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Corrupcao passa a ser crime hediondo no Brasil

Corrupção passa a ser crime hediondo no Brasil







Fonte: Folhapress
Orígem: Diário do Grande ABC
http://www.dgabc.com.br/Noticia/464694/senado-aprova-projeto-que-torna-corrupcao-crime-hediondo?referencia=minuto-a-minuto-lista



Em resposta às manifestações que se espalham pelo país, o Senado aprovou hoje, 26 de junho de 2013, projeto que transforma a corrupção em crime hediondo.

Com a mudança, os condenados por corrupção perdem direito a anistia, indulto e pagamento de fiança para deixarem a prisão e também terão mais dificuldades para conquistarem liberdade condicional e progressão da pena.

O projeto tramita no Senado desde 2011, mas entrou na pauta do Senado depois dos protestos que mobilizam milhares de pessoas em diversas cidades. 

A proposta segue para análise da Câmara.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), admitiu que sua votação ocorreu como "consequência" das "vozes das ruas".

"Temos que aproveitar esse momento para andar com algumas matérias que não tivemos condições de andar em circunstâncias normais", disse.

O projeto torna hediondos os crimes de corrupção ativa, passiva, concussão (extorsão praticada por servidor público mesmo que fora de sua função), peculato (corrupção cometida por servidores públicos) e excesso de exação (cobrança de tributos indevidamente para fins de corrupção).

Os homicídios comuns também passam a ser crimes hediondos, segundo o projeto. 

Os qualificados já são enquadrados pela legislação em vigor como hediondos. 

A inclusão do crime ocorreu a pedido do senador José Sarney (PMDB-AP), que apresentou emenda ao texto original.

Parte dos senadores foi contra a emenda porque ela não tem relação com a corrupção, mas Sarney pressionou os colegas e viabilizou sua aprovação.

O projeto também amplia as penas previstas no Código Penal para os cinco crimes de corrupção fixados no projeto. 

Quem for condenado por corrupção ativa, passiva e peculato terá que cumprir pena de 4 a 12 anos de reclusão, além de pagamento de multa. 

Para os crimes de concussão e excesso de exação, a pena fixada é de 4 a 8 anos de reclusão e multa.

O Código Penal em vigor estabelece pena de 2 a 12 anos para crimes de corrupção, que podem ser ampliadas nos casos de crimes qualificados. 

Também determina que os réus têm que cumprir pelo menos dois quintos da pena em reclusão, enquanto o tempo fixado para os demais crimes é de um sexto.

Além de perder benefícios como o direito a pagamento de fiança para deixar a prisão, os crimes hediondos são considerados gravíssimos pela legislação penal --que classifica os seus agentes como insensíveis ao sofrimento físico ou moral da vítima.

Autor do projeto, o senador Pedro Taques (PDT-MT) disse que a proposta por si só não é suficiente para reduzir a corrupção, especialmente na administração pública, porque o Judiciário precisa dar agilidade nas condenações para crimes de corrupção.

"No crime de corrupção, você não pode identificar quem são as vítimas. 

A ideia é protegê-las por meios jurídicos. 

Mas para isso precisamos que os processos caminhem mais rapidamente até para a absolvição de quem não tem nada a ver com isso", afirmou Taques.

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR), que relatou o projeto, disse que o texto é uma resposta à principal reivindicação dos protestos no país. 

"Sem dúvida, a palavra corrupção tem sido a mais pronunciada nas ruas pelos jovens brasileiros, e o Senado Federal dá agora, neste momento, uma resposta, ainda insuficiente, mas um passo adiante, um avanço na direção das aspirações do povo brasileiro."

A votação do projeto durou mais de duas horas. 

No começo da sessão, o plenário do Senado estava cheio, com 66 senadores presentes. 

Depois do início do jogo do Brasil pela Copa das Confederações, cerca de 20 congressistas continuaram presentes --mas a maioria retornou após o fim da partida para aprovar o projeto de forma simbólica (sem o registro de votos no painel do Senado).

Camara derruba a PEC 37

Jornal do Brasil - Câmara derruba a PEC 37
Fonte: www.jb.com.br
25/06/2013 às 23h35
Câmara derruba a PEC 37 e o texto será arquivado
Rejeição da proposta era uma das reivindicações dos movimentos populares
Jornal do Brasil

A Câmara rejeitou na noite desta terça-feira (25), por 430 votos a 9 e 2 abstenções, a Proposta de Emenda à Constituição 37/11, do deputado Lourival Mendes (PTdoB-MA), que atribuía exclusivamente às polícias Federal e Civil a competência para a investigação criminal. 

Todos os partidos recomendaram a rejeição do texto.

Para facilitar a derrota da proposta, os deputados votaram apenas o texto principal, prejudicando o texto da comissão especial.

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, destacou que a proposta foi pautada em Plenário por acordo fechado entre todos os líderes partidários. “Os líderes poderiam ter optado por adiar, mas decidiram votar esta noite”, declarou.

Alves afirmou que a decisão do Plenário significa o “reencontro” dos deputados com as ruas.

 “Nós somos parlamentares que vêm das ruas do Brasil. Então, temos que estar atentos ao que elas dizem para esta Casa fazer o que o povo brasileiro quer.”

O presidente da Câmara afirmou ainda que, depois da rejeição da PEC 37, o compromisso da Casa é votar o fim do voto secreto para cassação de mandatos (PEC 196/12). “É um compromisso que nós temos e vamos pautar até o final deste período legislativo”, disse Alves.

Investigações criminais

De acordo com o texto da PEC 37, o Ministério Público poderia ser impedido de realizar investigações criminais por conta própria e deveria atuar apenas como titular da ação penal na Justiça.

O substitutivo do deputado Fabio Trad (PMDB-MS), apresentado na comissão, originalmente permitia ao Ministério Público investigar, em conjunto com as polícias, os crimes contra a administração pública – como corrupção – e delitos praticados por organizações criminosas.

Entretanto, o texto final da comissão decorreu da aprovação de um destaque do deputado Bernardo Santana de Vasconcellos (PR-MG), que impedia definitivamente a atuação do Ministério Público nas investigações. De acordo com o parlamentar, o texto da Constituição deixa claro que a competência para investigar crimes é das polícias Civil e Federal.

"Houve alguns erros de interpretação durante os anos. Uma pessoa não pode, ao mesmo tempo, investigar e oferecer denúncia”, defendeu Vasconcellos, no momento de votação do destaque na comissão, em novembro passado.

Para Lourival Mendes, a proposta não poderia ser rotulada como “PEC da Impunidade”. “Ela garante o Estado de Direito, mantendo a estabilidade jurídica do Brasil, impedindo que as investigações subam para o Supremo com base na inconstitucionalidade de seus atos”, disse.

Devido às divergências entre delegados e promotores, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, criou, em maio deste ano, um grupo de trabalho técnico criado para aperfeiçoar a PEC.

O grupo foi criado no dia 30 de abril depois de uma reunião entre o presidente da Câmara; o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; e representantes do Ministério Público, da Polícia Federal e da Polícia Civil.

Depois de várias reuniões, o grupo não conseguiu chegar a um texto de consenso, e o nível de rejeição à proposta aumentou depois que o tema ganhou as ruas nos protestos populares.

O líder do PMDB, deputado Eduardo Cunha (RJ), lembrou que haverá outra discussão para regulamentar a investigação criminal no Brasil. “O tema não termina [com a rejeição da PEC], vamos ter que buscar uma proposta em que todos ganhem, a sociedade seja vitoriosa no combate à criminalidade de toda natureza.”

O líder do PSDB, deputado Carlos Sampaio (SP), protocolou nesta terça-feira o Projeto de Lei 5820/13, que regulamenta a investigação criminal no Brasil, em especial a atuação conjunta da Polícia Judiciária e do Ministério Público. “O objetivo é estabelecer um regramento nacional, uma unificação do procedimento de investigação para promotores e delegados. [O projeto] não retira nem restringe o poder de investigação do Ministério Público. Apenas estabelece regras”, disse.

Outra proposta sobre o tema (PL 5776/13) foi apresentada pela deputada Marina Santanna (PT-GO).



Informações da Agência Câmara

terça-feira, 25 de junho de 2013

O que e a PEC 37









O que é a PEC 37?

PEC 37
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/PEC_37


Proposta de Emenda Constitucional 37/2011, abreviada como PEC 37, é um projeto brasileiro que visa limitar o poder de investigação criminal a polícias federais e civis, retirando-o de, entre outras organizações, o Ministério Público.1 2

Seu autor foi o deputado Lourival mendes (PT do B do Maranhão), e este declara que as CPIs não ficariam prejudicadas pela alteração, por terem outro trecho da Constituição tratando delas.1

Para os procuradores da República, esta é a "PEC da Impunidade", uma retaliação ao trabalho do Ministério Público no combate à corrupção.3

Para os delegados de polícia, por outro lado, esta é a "PEC da Legalidade", não restringe o papel do MP e retoma o texto da Constituição de 1988.3

O Ministro Joaquim Barbosa do STF, o Ministro Carlos Ayres Brito do mesmo tribunal e o Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, dentre muitas outras autoridades e doutrinadores, se opõem radicalmente à PEC 37, amplamente conhecida como "PEC da Impunidade".

Ultimamente, a sociedade civil vem demonstrando sua insatisfação com a corrupção e desvios de conduta de agentes políticos, se insurgindo também contra a PEC 37, que retira poderes de investigação do MP e de instituições como a CGU, Receita Federal, dentre outras. Além dos delegados, a PEC é apoiada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil4 e possui parecer favorável de doutrinadores como Ives Gandra Martins, José Afonso da Silva5 e Guilherme de Souza Nucci. 6.

No dia 20 de junho de 2013, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse que as manifestações no país tiveram papel importante no adiamento da votação, que estava marcada para 26 de junho de 2013.7 2

Referências

a b Entenda o que é a PEC 37. EBC (18 de junho de 2013). Página visitada em 20 de junho de 2013.
a b Brasil preparado para os maiores protestos desde o início das manifestações. Jornal de Negócios (20 de junho de 2013). Página visitada em 21 de junho de 2013.
a b Câmara adia a votação da PEC 37. Época (20 de junho de 2013). Página visitada em 22 de junho de 2013.
Plenário da OAB é favorável à aprovação da PEC 37. Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (20 de junho de 2013). Página visitada em 22 de junho de 2013.
Juristas dizem que MP não pode fazer investigação. Consultor Jurídico (30 de março de 2013). Página visitada em 22 de junho de 2013.
Investigação pelo MP levanta polêmica na ConJur. Consultor Jurídico (16 de abril de 2013). Página visitada em 22 de junho de 2013.
Gurgel: manifestações influenciaram adiamento da votação da PEC 37. EBC (20 de junho de 2013). Página visitada em 20 de junho de 2013.
Ligações externas
Tramitação da PEC 37
Texto da PEC 37

O que e PEC

O que é PEC?

PEC quer dizer Pedido de Emenda à Constituição


Deve ser usada para princípios imutáveis e assuntos de valor permanente.

PEC quer dizer o mesmo que Emenda da Constituição.

Quanto mais emendas tem uma constituição, mais "colcha de retalhos ela se torna."


Emenda constitucional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Emenda_constitucional

Uma emenda constitucional tem por objetivo permitir modificações pontuais na Constituição de um país, sem a necessidade de abolir toda a Carta Magna vigente e construir uma Constituição inteiramente nova.1

No mundo moderno, o mecanismo de emenda constitucional foi explicitamente criado pela Constituição da Pensilvânia de 1776, mas foi consagrada como uma inovação da Constituição dos Estados Unidos, aprovada em 17/09/1787, em vigor desde 21/06/1788, sendo posteriormente adaptada por muitos outros países.

É relevante destacar que até então, os processos de mudança constitucional eram geralmente marcados por violência, e/ou grandes mudanças políticas, muitas vezes ocorrendo em meio a revoluções e guerras civis entre os que pretendiam mudar uma constituição e os que queriam mantê-la. 

Assim, a primeira vantagem da Emenda Constitucional seria a de permitir mudanças institucionais dentro dos trâmites legais e mantendo a ordem legal. 

Outra vantagem é o fato já citado que a Emenda Constitucional pode mudar apenas um parágrafo, tópico ou tema da Constituição, sem a necessidade de se convocar uma nova Constituinte.

A aprovação de uma emenda geralmente passa por exigências superiores às necessárias para a aprovação de uma Lei ordinária, com mecanismos que vão da ampla maioria (dois terços ou três quintos) na Câmara alta e na baixa, até a aprovação da mudança nos Estados, em alguns casos passa pela revisão do Judiciário (Suprema Corte ou Supremo Tribunal de Justiça), ou até por plebiscitos populares.


Índice
1 Emenda constitucional no Brasil
1.1 Requisitos formais
1.2 Processo de votação
1.3 Limite material
2 Referências

Emenda constitucional no Brasil

No Brasil, as Propostas de Emenda à Constituição (PECs) têm o objetivo de alterar o texto constitucional e estão previstas no artigo 60 da Constituição que as legitimam.

A PEC é matéria sujeita a tramitação especial na Câmara dos Deputados e deve ser apresentada pelo Presidente da República, pelo Senado Federal, por um terço, no mínimo, do total de parlamentares ou por mais da metade das assembleias legislativas das unidades da Federação.2

Seu trâmite tem início quando ela é despachada pelo Presidente do Legislativo para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania que tem o prazo de cinco sessões legislativas para a devolução da proposta à Mesa da Câmara com o respectivo parecer sobre a admissibilidade da mesma.3

Caso seja considerada inadmissível, a PEC é arquivada ou o autor da proposta poderá - com o apoio de um terço da composição da Câmara ou de sua representação, desde que cumpra o número mínimo exigido de assinaturas - requerer a deliberação do plenário sobre a preliminar de admissibilidade.3

Admitida, porém, as PEC recebem emendas na comissão temporária designada pela Comissão de Justiça para exame do mérito, no prazo de quarenta sessões da Câmara dos Deputados. 

As emendas à emenda constitucional só podem ser apresentadas durante as dez primeiras sessões na respectiva comissão para relatoria e parecer no prazo estabelecido.3

O Regimento Interno da Câmara dos Deputados não se manifesta quanto ao exame de admissibilidade de emendas a proposta de emenda à Constituição. 

Entretanto, a orientação tem sido no sentido de que cabe à comissão especial fazer esta análise e emitir parecer.3

Aprovado pela maioria absoluta dos membros da comissão temporária, o parecer do relator será publicado e, só então, a PEC será incluída na "Ordem do Dia" da Câmara dos Deputados e submetida a dois turnos de discussão e votação, com intervalo de cinco sessões entre um e outro. 

Aprovada na Câmara, a PEC é encaminhada ao Senado Federal para apreciação em dois turnos.3

Fundamentada nos Regimentos Internos das duas Casas (Câmara dos Deputados, artigo 203; e Senado Federal, artigo 367), a proposta de emenda à Constituição que for aprovada com emendas pela Casa revisora (Senado) voltará a tramitar na Câmara como proposta nova e será despachada para a Comissão de Justiça. 

Se aprovada em definitivo por ambas as casas (Congresso Nacional), o Senado convocará sessão conjunta das duas Casas para promulgação da emenda. 

Não havendo norma específica, são aplicáveis às propostas de emenda à Constituição as disposições regimentais relativas ao trâmite e apreciação dos projetos de lei em geral.3


Requisitos formais
A Wikipédia possui o:
Portal do Direito

A Constituição estabelece que as alterações do texto somente podem ocorrer se presentes os seguintes requisitos:
a emenda deve ser proposta por no mínimo 1/3 dos membros da Câmara dos Deputados ou doSenado ou pelo Presidente da República ou pela maioria absoluta das assembleias Legislativasdas unidades da Federação, sendo que cada uma deve manifestar-se pela maioria relativa de seus membros;
o texto constitucional não pode ser alterado durante a vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio.

Processo de votação

A emenda constitucional (EC) é resultado de um processo legislativo especial mais laborioso do que ordinário, previsto para a produção das demais leis. 

O processo legislativo de aprovação de uma emenda à Constituição está estabelecido no artigo 60 da Constituição Federal e compreende, em síntese, as seguintes fases:a) apresentação de uma proposta de emenda, por iniciativa de um dos legitimados (art. 60 I a III);b)discussão e votação em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, considerando-se aprovada quando obtiver, em ambos, três quintos dos votos dos membros de cada uma delas (art. 60 parágrafo 2º);c) sendo aprovada, será promulgada pelas Mesas das Câmara dos Deputados e do Senado Federal, com o respectivo número de ordem (art. 60 parágrafo 3º);d)caso a proposta seja rejeitada ou havida por prejudicada, será arquivada, não podendo a matéria dela constante ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa (art. 60 parágrafo 5º).

Limite material


Não pode haver proposta de emenda à Constituição tendente a abolir a forma federativa do Estado; o voto direto, secreto, universal e periódico; a separação dos Poderes; e os direitos e garantias fundamentais. São as chamadas cláusulas pétreas.4 5

A historia do Caralho









Caralho

Caralho
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Caralho

Caralho é um termo da língua portuguesa usado para designar o membro viril masculino. O termo encontra correspondente no castelhano carajo, no galego carallo, e no catalão carall, sendo exclusivo das línguas romances da Península Ibérica, não se encontrando em nenhuma outra, incluindo o basco.1

Documenta-se o uso do termo desde pelo menos o século X, surgindo regularmente nas cantigas de escárnio e maldizer da poesia trovadoresca medieval, sendo também registado nalguma documentação, além de vários usos antroponímicos e nas toponímias da Península Ibérica, em particular da Catalunha, onde se destacam os vários carall bernat.

Este uso do termo como nome próprio para descrever o membro viril, presente inclusive na documentação oficial, termina com a contra-reforma, passando então a ser considerado como obsceno e impróprio, conotação que mantém até aos dias de hoje. Não obstante, o termo manteve uma incrível vitalidade nas línguas romances ibéricas, sendo usado atualmente com dezenas de sentidos diferentes e como meio de expressar as mais diversas emoções, como estranheza, emoção, lambança ou ameaça, embora em algumas regiões tenha perdido o seu sentido original de membro viril.

O caralho marca presença na poesia e literatura modernas, especialmente como disfemismo e elemento provocador, e por vezes comoerotismo, tendo entrado no panteão da mitologia brasileira como caralho-de-asas, que por sua vez inspirou um personagem de banda desenhada, o passaralho.

Graffiti numa parede de Lisboa


Índice
1 Etimologia
2 Uso histórico
3 Uso moderno
3.1 Diversidade semântica
3.2 Caralho-de-asas
4 Notas
5 Referências
6 Bibliografia

Etimologia

Caralho é voz afim em todas as línguas romances hispânicas, pelo que o filólogo e romanista Joan Coromines supõe uma origem pré-romana,2 propondo no Diccionario crítico etimológico castellano e hispánico (Coromines e Pascual, 1983) a raiz celta cario para o termo.3

O romanista e hispanista austríaco Leo Spitzer propôs o étimo latino-vulgar não documentado *caraculum, que seria um diminutivo decharax (καραξ), significando estaca. Este termo partilha a mesma raiz etimológica de carácter, do grego charácter, que no original em latim significava ferro para marcar gado. O mesmo diz José Pedro Machado no seu Dicionário Etimológico da Lingua Portuguesa(1967), dando como origem para o termo o dito caraculum, do grego charax, significando estaca, empa para vinha.

Em oposição a estas hipóteses, o etimologista Christian Schmitt postula a derivação a partir de um étimo grego καρυον ("noz"), através do latim caryon e de um derivado carálium.3

A Real Academia Espanhola dá carajo como de origem incerta.4 Houve um tempo em que se supôs que esse termo tivesse origembiscainha, mas tal suposição foi posta em causa pois nem Cervantes nem Quevedo, fontes inesgotáveis de todo o tipo de genialidades e grosserias, não o usam uma única vez. Por volta de 1970 havia quem tivesse por coisa certa que a origem de carajo estava numa tribo índia do Brasil. O autor americano Carleton Beals pretendeu ter demonstrado no seu livro America south (1937) que "ajo" é crioulo e não espanhol, dando como origem do termo a tribo dos carajos evangelizada pelo Padre Anchieta cerca de 1530.5 6 Numa edição anterior a 1965 do seu "Diccionario Etimológico", Coromines havia proposto que carajo pudesse ter derivado de uma aplicação humorística do latim tardio caragius, "bruxo".5

Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo.

O que e protesto

O que é protesto?









Protesto
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Protesto

Protesto é uma manifestação a favor ou contra um determinado evento. 

Veja onde pode se enquadrar.

Política

Poderes

Executivo
Judiciário
Legislativo
Moderador

Formas de governo

Anarquia
Despotismo
Estratocracia
Monarquia
República

Regimes e sistemas

Parlamentarismo
Presidencialismo
Democracia
Democracia direta
Democracia semidireta
Democracia representativa
Ditadura
Absolutismo
Autoritarismo
Regência
Parlamentarismo regencial
Totalitarismo

Tipos de poder

Aristocracia
Autocracia
Burocracia
Demagogia
Cleptocracia
Clerocracia
Corporativismo
Corporocracia
Meritocracia
Minarquia
Oclocracia
Oligarquia
Plutocracia
Sociocracia
Tecnocracia
Teocracia
Caudilhismo
Coronelismo
Nepotismo
Fisiologismo

Classes de estado

Colónia
Confederação
Federação
Império
Principado
Protetorado
Reino
República

Conceitos

Ativismo
Congresso
Corrupção
Doutrina
Estado
Governo
Hegemonia
Ideologia
Legislatura
Liberdade
Nação
Partido
Pátria
Parlamento
Regionalismo
Soberania

Processos

Eleições
Golpe de Estado
Revolução
Independência
Plebiscito
Referendo

Protesto
Repressão
Purga
Lobby
Intervenção

Divisões administrativas

Concelho
Condado
Departamento
Estado
Distrito
Município
Província
Freguesia

Cargos

Burgomestre
Capitão-regente
Chanceler
Deputado
Ditador
Governador
Grão-duque
Imperador
Intendente
Ministro
Prefeito
Presidente
Primeiro-ministro
Príncipe
Rei
Secretário
Senador
Sultão
Vereador
Regente vitalício

Disciplinas

Ciência política
Diplomacia
Filosofia política
Geopolítica
História Política
Metapolítica
Política Internacional
Teoria Política

Espectro político

Esquerda
Centro
Direita

Ideologias

Anarquismo
Comunismo
Fascismo
Nazismo
Neonazismo
Sionismo
Nacionalismo
Liberalismo
Libertarismo
Populismo
Esquerdismo
Social-democracia
Socialismo
Trabalhismo
Estadismo
Ultranacionalismo
Democracia Cristã

Atitudes

Abstenção
Amnistia
Bipartidarismo
Chauvinismo
Clandestinidade
Clientelismo
Coletivismo
Colonialismo
Conservadorismo
Desobediência civil
Dissidência
Elitismo
Imperialismo
Neoimperialismo
Intervencionismo
Isolacionismo
Nacionalismo
Oposicionismo
Pacifismo
Pluripartidarismo
Radicalismo
Resistência
Multiculturalismo
Sectarismo
Separatismo
Secularismo
Subversão
Terrorismo
Tradicionalismo
Unipartidarismo
PortalCategoria

ve


Teatro-protesto contra os prisioneiros afegãos da Baía de Guantânamo, em Cuba

O protesto ou manifestação expressa uma reação solitária ou em grupo, de caráter público, contra ou a favor de determinado evento.


 Os manifestantes organizam um protesto como uma maneira pública de que suas opiniões sejam ouvidas em uma tentativa de influenciar a opinião de outras pessoas ou a política do governo, ou podem empreender a ação direta tentando, elas mesmas, decretar diretamente as mudanças desejadas.


O Commons possui uma categoriacom multimídias sobre Protesto
Liberdade de reunião.
Maio de 68, em Paris.
Protesto na Praça Tiananmem em 1989, em Pequim.
Revolta de jovens dos subúrbios de Paris em 2005.
Protestos no Brasil em 2013
Ação Global dos Povos


domingo, 23 de junho de 2013

Em qual lingua os extraterrestes falam com a gente

Em qual língua os extraterrestres falam com a gente?










Estimado leitor, no caso de um contato de terceiro grau de nível  F (comunicação inteligente) com extraterrestres em qual língua eles iriam se comunicar com a gente?









A resposta mais lógica é o inglês.
Por que?

O inglês é a língua usada pela NASA, é a língua usada no espaço e é a língua oficial da aviação.

Além disso, o mundo todo estuda inglês e para muitos é considerada uma língua sagrada.

Assim, estimado leitor, estude inglês, estude inglês, estude inglês.

Além disso, vamos analisar a história das línguas sobre a face da terra.

Nos primórdios da humanidade, as primeiras línguas mais avançadas de que se tem notícia são o Vatan e o Sensar.

VATAN em turco significa CASA.
Foi o idioma usado pelos extraterrestres para seu contato com o seu lar de origem.

A língua original dos Capelinos era o nosso Vatan da antiguidade e a matemática nossa é igual a antiga matemática deles. Talvez seja por isso que é tão complexa e nem todos compreendem. Provavelmente em Alcione ou Arcturo era diferente.

Vatan é a lingua dos que queriam voltar para casa (seu planeta de origem aqui na terra) .

Os Exilados da Capela
Veja o livro para leitura e download em
http://www.alemdoarcoiris.com/DOWNLOADS/os_exilados_da_capela.pdf




O Alfabeto Adâmico ou Vatan , que originou todos os outros, tem sua própria base nas cinco figuras geométricas fundamentais, ou sejam: O PONTO, A RETA, A CIRCUNFERÊNCIA, O TRIÂNGULO E O QUADRADO. Que em suas correspondências essenciais, formam e significam : ADAM-EVA-ADAMA ou ADÃO-EVA-LEI ou REGRA. De acordo com os valores e a própria expressão fonética destas cinco figuras no dito alfabeto Adâmico, que se pronunciam precisamente com se formam, da seguinte maneira, e, linha horizontal ( ou em linha vertical, lendo-se de baixo para cima, conforme era a escrita a língua

Isto é o mesmo que ADÃO-EVA-LEI ou REGRA e , por analogia PAI-MÃE-FILHO, ou mais explicitamente: O PRINCIPIO ABSOLUTO (ADÃO) que atuou na natureza (EVA) gerando o mundo da forma (REGRA).

Estas citadas figuras fundamentais dão base para a formação de 3 conjuntos geométricos:

1) Esta figuração geométrica é a correspondência fonética de AUM (ÔM) ou UM, que significa DEUS ou SUPREMO ESPIRÏTO, assim subdivididos: corresponde ao U ou V no alfabeto Adâmico. A (linha singela) corresponde ao A simples e o , corresponde ao M ou N no citado alfabeto;

2) ( linha), encerrada no círculo, servindo-lhe de diâmetro( que é a forma gráfica do B ou BA no Adâmico ou no Ariano) cuja correpondência é Ã ou BAN, que significa originalmente – CONJUNTO – PRINCÍPIO- LIGAÇÃO.

3) ( linha singela e ângulo), que corresponde a A e D ou ADAM ou ADÃ ou AD, por metáfase, DA, que significa LEI no sentido de Lei Universal.

Que é igual a DEUS - CONJUNTO – LEIS, ou seja, CONJUNTO DAS LEIS DE DEUS ou ainda ADAM-EVA-LEI.

Esta é a representação MORFOLOGICA E GEOMETRICA ORIGINAL DO VOCABULO UMBANDA, que a Tradição e os Iniciados falam, mas não dizem como "perdem-se", isto é foi esquecida sua grafia, origem e significado.

Além disso temos também o X como letra oculta ou hermética, do uso dos sábios ou iniciados, cuja designação identificava, para eles, a REVELAÇÃO DA VERDADE. 22:43
Ele foi utilizado somente por um período de aproximadamente 600 anos na ´Pérsia antiga. Hoje e língua morta. - Hoje fica na Turquia que herdou algumas palavras...
Os húngaros foram ocupados por 400 anos pelos turcos e herdaram algumas palavras do Vatan também. O idioma húngaro é completamente diferente de todos os outros idiomas do Planeta Terra. Nada descarta a hipótese de que sua origem seja extraterrestre também. (Alias 20% da população mundial de portadores de olhos verdes está na Hungria, sendo esta uma cor de olho muito rara.)

Civilização de Arcturus:
É uma civilização de quinta dimensão que é o protótipo do futuro da Terra. Sua energia funciona como terapia tanto emocional, mental, como espiritual para a humanidade.

Os capelinos encarnados na Terra queriam o Vril, o fluido antigravidade capaz de mover objetos de quaisquer dimensões.

Vril
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Vril

A Wikipédia possui o
Portal do Ocultismo


Vrill é a suposta energia ou magia à qual a Sociedade Thule ocultista ansiava alcançar. O mais notório membro desta seita terá sido Adolf Hitler.

A energia Vrill era eminentemente telúrica, oferecendo capacidades aos seus seguidores; a capacidade de curar ou ferir pessoas, levantar objetos e por fim a elevação dos próprios para outra dimensão de nível superior.

Esta energia Vrill era alcançada através da meditação, orgias sexuais, e até sacrifícios de crianças. Consideravam-se Seres superiores capazes de feitos inimagináveis e tudo acontecia em subterraneos. Quando os Nazistas se aperceberam deste suposto poder, apoderaram-se do conceito da seita e exuberaram com as suas práticas. Eckhart tinha um poder hipnótico conhecido por alma negra, Co-fundador do partido Nazista facilmente chamou a si Adolf Hitler. Todas as altas patentes do partido nazista eram membros da Sociedade Vrill. A Ariosofia servir-se-ia da energia Vrill a qual os faria voar até o infinito e tornarem-se deuses, o que facilitaria ou garantiria o sucesso em alcançar o poder absoluto e metafísico para governar o mundo. Chegaram a medir os crânios dos Tibetanos, convencidos que eles eram os ancestrais dos Arianos.


Uso na Atlântida

Segundo Roger Bottini Paranhos o vril é uma fonte de energia que foi amplamente utilizada na Atlântida e que irá no futuro substituir as atuais fontes de energia, primitivas e poluentes, que impactam diretamente no aquecimento global. Nos livros "Atlântida – No reino da Luz"1 e "Akhenaton - A revolução espiritual do antigo Egito"2 Roger afirma que os atlantes precisaram salvaguardar a energia vril dos capelinos (vide Os Exilados de Capela de Edgard Armond), que tinham o interesse de utilizar seu potencial para Magia Negra. O objetivo da energia vril é fazer progredir os meios de produção de forma a permitir à humanidade desenvolver seus aspectos sociais, morais e tecnológicos pelo bem-estar. Pela inversão do eixo gravitacional dos materiais seria possível desprender do solo e transportar grandes blocos de rochas por levitação. É nessa tese que se embasa Roger Paranhos para explicar a construção das grandes pirâmides e outros monumentos que ainda hoje desafiam a engenharia. Segundo as afirmações anteriores, os nazistas estavam em busca dela, mas, talvez felizmente, pelos possíveis propósitos, não lograram êxito. Se essa energia voltará a ser conhecida pelos habitantes desse planeta e se será utilizada para fins pacíficos, para um novo ciclo de progresso, somente o tempo dirá.
Ver também
Misticismo nazi
Éter (elemento)

Existem livros atuais que descrevem os interesses das trevas = Trilogia O Reino das Sombras
References

Paranhos, Roger Bottini. 2009. Atlântida – No reino da Luz. Editora do Conhecimento. ISBN 978-85-7618-182-8. 264 p.
Paranhos, Roger Bottini. 2006. Akhenaton - A revolução espiritual do antigo Egito. Editora do Conhecimento. ISBN 85-7618-114-2. 416 p.
A sequencia de idiomas sugerida seria:
Extraterrestre
Vatan
Sensar
Devaganari
Vedanta
Sânscrito
Raízes dos demais idiomas até hoje
Esperanto
Inglês
Extraterrestre

As linguas originais sagradas: Sensar e Vatan – e os mistérios que elas guardam
Fonte: http://www.espiritualidadefeminina.com.br/as-linguas-originais-sagradas-sensar-e-vatan-adamicoserra-do-roncador-vale-dos-sonhos-agarth/

As duas primeiras Raças-Mães (Polar e Hiperbórea) (civilizações desta Ronda Terrestre) eram mudas, e os primeiros homens que conseguiram falar, a partir da metade da 3.ª Raça-Mãe Lemuriana, aprenderam com os animais. 

Esta linguagem primordial usada pela Humanidade primitiva chamou-se Linguagem Totémica, foi desenvolvida na 4.ª Raça-Mãe Atlante e tomou os nomes de Vatan ou Vatanan originando o Devanagari, e até hoje é a mesma usada pelos Munis e Todes para se entenderam com os Totens dos vários Reinos. 

Associa-se à Língua Senzar, mas esta é uma linguagem interior ou muda – a Filia Vocis, poeticamente chamada Voz do Coração e Voz do Silêncio – e aquela é exterior ou falada, passando a Escrita Assúrica na qual os símbolos expressam realidades de ordem transcendente, abarcando simultaneamente os Mundos Físico, Psicomental e Espiritual.

Senzar é o nome da língua em que foram, segundo Blavatsky, escritas as Estâncias de Dzyan, que são manuscritos arcaicos nos quais ela se baseou para escrever a obra “A Doutrina Secreta” no final do século XIX. 

Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo

Cor da pele e heranca genetica

Cor da pele e herança genética







Herança quantitativa
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Heran%C3%A7a_quantitativa

Herança quantitativa ou poligênica é um tipo de herança genética, na qual participam dois ou mais pares de genes com segregação independente, resultando em um efeito cumulativo de vários genes envolvidos, cada um contribuindo com uma parcela para a formação da característica.

Possui esse nome (quantitativa) porque o fenótipo é determinado, entre outros aspectos, pela quantidade que um indivíduo apresenta de um determinado gene expressivo. 

Como exemplo, vamos mencionar o caráter da cor da pele humana:
O aspecto que diferencia este tipo de herança é a variação contínua ou gradual, o que significa que entre os extremos (negro e branco) existem diversos fenótipos intermediários.

Essa característica parece ser controlada por dois pares de genes alelos A e B, sendo que alelos representados por letras maiúsculas determinam a produção de grande quantidade de pigmento melanina nas células da pele, enquanto os alelos representados por letras minúsculas levam a produção de menor quantidade de pigmento.

Vale ressaltar que nesse tipo de herança não existem genes dominantes ou recessivos.

Os cientistas atribuem cinco categorias de coloração da pele humana.

1- AABB: Negro
2- AaBB, AABb: Mulato Escuro
3- AaBb, AAbb, aaBB: Mulato Médio
4- Aabb, aaBb: Mulato Claro
5- aabb: Branco

Em 2005, cientistas americanos que investigam o genoma humano, decifraram o gene slc24A5 que determina a transmissão da herança da cor da pele humana. 

Verificaram que os descendentes de europeus (europeus-caucasianos) possuem uma variante deste gene conseguida através de mutação ao longo do processo evolutivo da espécie.

Estudos posteriores revelaram ainda que pessoas mestiças (mulatos) portadoras da forma "européia" do gene tendiam a apresentar a pele mais clara, o que os levou a concluir que a contribuição desse gene na formação do fenótipo da cor da pele é de 38 por cento, portanto maior que a contribuição dos genes responsáveis por transmitir a cor escura entre a população dos mestiços.

Esta descoberta faz cair por terra a proporcionalidade dos fenótipos dos indivíduos esperados pela Lei da Segregação Independente dos genes ou Segunda Lei de Mendel para a característica da cor da pele humana, na qual o número de descendentes para mulatos claros deverá ser significativamente maior.

Um exemplo, em que podemos observar o efeito da versão "européia" do gene para cor da pele é o povo brasileiro, que, hoje, é constituído, em sua maioria, por mulatos claros, portanto observa-se um clareamento da população ao longo dos anos segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As denominações para o fenótipo cor da pele humana usados em genética como de mulato claro e médio, possuem diferente conotação social dependendo da cultura do país de origem do indivíduo. 

Na cultura brasileira, por exemplo, os mulatos claros são chamados de brancos, assim como os mulatos médios de morenos claros, e os mulatos escuros sem características fisionômicas da etnia negra também são chamados de morenos.

Em casos de investigação de paternidade, a cor da pele constitui-se em uma das provas não sanguíneas de transmissão genética para exclusão do suposto pai, isto significa dizer que existem casos em que a exclusão do suposto pai é possível.

Casos em que se pode excluir a paternidade (nos casos possíveis de exclusão, o exame de DNA apenas irá confirmar o resultado obtido)

No cruzamento entre mulatos claros não pode haver descendentes mulatos escuros e negros.
No cruzamento entre brancos não pode haver descendentes mulatos ou negros.
No cruzamento entre negros não pode haver descentes mulatos ou brancos.

Casos em que não se pode excluir a paternidade, casal ser composto por:
branco x negro;
mulato médio x mulato médio.

Nota: nestes casos, pode haver descendentes com todas as possibilidades fenotípicas, não havendo possibilidade de exclusão, e a identificação da paternidade só será possível com o exame de DNA.

Na determinação da cor da pele dos descendentes de um suposto casal, é realizado um estudo sobre a cor da pele dos familiares de ambos os envolvidos, o que possibilita a determinação do genótipo do casal. 

Dessa forma, conhecido o genótipo dos pais, se calcula as possibilidades genotípicas e fenotípicas dos filhos.

Bibliografia

Revista Science,Vol.310 p.1121, 2005.
KING,Robert C..Genética, Espasa-Calpe-Madrid 1999.


Significado da cor dos olhos e sua relacao com os extraterrestres








Qual a melhor armação para os seus olhos no caso de óculos?
Veja na figura acima.










Que cores de olhos o meu filho poderá ter? Depende dos pais. Veja a figura acima.








Hoje com as lentes de contato coloridas é possível mudar a cor dos olhos facilmente. Veja a figura acima.










Existem várias cores de lentes de contato para várias cores de íris. Confira na figura acima.








Agora, vou te fazer uma pergunta, estimado leitor?
Quais são as cores de olhos naturais mais comuns, e será que elas tem algum significado sobre nossa origem extraterrestre?

Veja que interessante:

Cor dos olhos
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cor_dos_olhos


Porcentagem de pessoas de olhos claros na Europa.

Cores de olhos humanos.

A cor dos olhos é uma característica poligênica e é determinada pelo tipo e quantidade de pigmentos na íris do olho.1 2 

Os humanos e os animais têm muitas variações fenotípicas na cor dos olhos.3 

Nos olhos humanos, essas variações de cores são atribuídas a diversos rácios de eumelanin produzido por melanócitos na íris.2 

O colorido brilhante dos olhos de muitas espécies de aves estão em grande parte determinados por outros pigmentos, como pteridinas, purinas, e carotenóides.4

Três elementos principais dentro da íris contribuir para a sua cor:

1- a melanina do epitélio pigmentar da íris, 
2- a melanina dentro do estroma da íris e 
3- a densidade celular do estroma da íris.5 Nos olhos de todas as cores
o epitélio pigmentar da íris contém o pigmento preto, chamado de eumelanin.2 5 

As variações de cor entre os diferentes tipos de íris são normalmente atribuídos à melanina que existe dentro do estroma da íris.5 

A densidade de células dentro do estroma afeta quanto de luz é absorvida pelo pigmento subjacentes do epitélio.5


Índice
1 Cor dos olhos (escala de Martin Schultz)
1.1 Azul
1.2 Castanho
1.3 Preto
1.4 Cinza
1.5 Verde
1.6 Vermelho
1.7 Violeta
2 Ver também
3 Referências

Cor dos olhos (escala de Martin Schultz)

Carleton S. Coon criou este gráfico para a escala de Martin Schultz frequentemente utilizada na antropologia física.
Azul

Olho azul.

Olhos azuis são mais comuns no Europa Central e do Norte e, em menor grau no Sul da Europa e também nas Américas,6 eles também são encontrados em parte da África do Norte7 Ásia Ocidental e Sul da Ásia, em especial as regiões setentrionais. 

São encontrados principalmente em pessoas de origem norte-européia, centro-européia, norte do leste europeu e países bálticos. Sul-asiáticos também podem ter olhos azuis, mas é muito raro. 

Os Países Nórdicos têm o maior percentual de pessoas com olhos azuis. 

Vários bebês com olhos claros têm olhos azuis, porém seus olhos escurecem conforme os anos (devido ao aumento da produção de melanina pelo corpo), ou mudam de cor.

Olhos azuis podem se tornar castanhos pela medicação a longo prazo de Latanoprost (também conhecido como Xalatan), que, como efeito colateral, causa o escurecimento da cor dos olhos.

É a cor de olhos bastante comum em muitos países europeus.
Castanho

Olho castanho claro.

Olho castanho escuro.

A grande maioria da população mundial têm olhos escuros, variando desde castanho claro até pretos. 

Olhos castanhos claros estão presentes em muitas pessoas, mas numa menor extensão. 

Olhos marrons muito claros são mais comuns em pessoas com a pele mais morena, como descendentes de árabes. 

A maior parte dos habitantes de todos os continentes têm olhos castanhos. 

Olhos castanhos também podem ser obtidos pela medicação à longo prazo de Latanoprost (também conhecido como Xalatan), que, como efeito colateral, causa o escurecimento da cor dos olhos. 

Olhos castanhos sempre foram considerados dominantes entre os genes, mas estudos recentes mostram que nem sempre isso é verdade.

Preto

Pessoas com olhos marrons muito escuros podem parecer ter olhos pretos em ausência de luz forte, ou até mesmo à exposição de luz. 

Isso é muito comum em pessoas de origem Africana, Asiática, nativos americanos e em descendentes de povos árabes e hebreus.

Porém não existem olhos com a íris absolutamente preta. 

Mas uma íris preta ou castanho muito escuro não determina a raça ou etnia. 

Pode existir uma pessoa com a pele extremamente branca com olhos escuríssimos.

Cinza

Olho cinza

Olhos cinza são raros, sendo uma variação dos olhos azuis (sempre mais claros, possuindo menos melanina). 

Há uma grande variedade de sombras cinza, do quase branco (cinza claro) ao escuro. 

Tendo como característica a sua versatilidade, olhos cinza parecem mudar de cor dependendo das cores que o cercam. 

Visualmente, eles aparentam variar de cor entre os tons de azul, verde e cinza, dependendo da iluminação e das cores do ambiente. 

Eles são mais comuns na Rússia européia, em países Bálticos e na Finlândia.

Verde

Olhos verdes.

Olhos verdes são mais freqüentemente encontrados em pessoas de origem CeltaGermânica, e Eslava

Húngaros têm o maior percentual de olhos verdes entre todas as populações, cerca de 20%. 

Olhos verdes também são encontrados, apesar de que em proporções baixas, em populações do Oriente Médio ao centro e sul da Ásia. 

E eles são tão comuns entre os Pashtuns que no Paquistão, Pashtuns são freqüentemente chamados "Hare Ankheian Vaale": o povo dos olhos verdes.

Os olhos verdes possuem menos melanina que os castanhos, mas mais que os azuis e cinza.

A cor verde nos olhos é a mais rara do mundo.

Vermelho

Olhos vermelhos

Os olhos das pessoas com formas graves de albinismo pode aparecer vermelho sob certas condições de iluminação devido às quantidades extremamente baixas de melanina,8 permitindo que os vasos sanguíneos penetrem completamente na íris. 

Além disso, a fotografia com flash pode, às vezes, causar um "efeito de olhos vermelhos", em que a luz brilhante do flash reflete na parte de trás do globo ocular, que é abundante vascular, fazendo com que a íris apareça vermelha na foto.9



Olho violeta.
Violeta

Olhos de cor azul mediterrâneo são extremamente raros e suponha-se que sejam uma variação dos olhos azuis. 

Crê-se que são causados por tão pouca pigmentação nos olhos que os vasos sanguíneos vermelhos o permeiam, causando uma coloração violeta da íris. 

A atriz Elizabeth Taylor era um bom exemplo de portadora desta característica.

Ver também

O Commons possui uma categoria com multimídias sobre Cor dos olhos
Olho humano
Olho
Heterocromia
Referências

Wielgus AR, Sarna T. "Melanin in human irides of different color and age of donors." Pigment Cell Res. 2005 Dec; 18(6):454-64. PMID 16280011.
a b c Prota G, Hu DN, Vincensi MR, McCormick SA, Napolitano A. "Characterization of melanins in human irides and cultured uveal melanocytes from eyes of different colors." Exp Eye Res. 1998 Sep;67(3):293-9. PMID 9778410.
Morris, PJ. "Phenotypes and Genotypes for human eye colors." Athro Limited website. Retrieved May 10, 2006.
Oliphant LW. "Pteridines and purines as major pigments of the avian iris." Pigment Cell Res. 1987; 1(2):129-31. PMID 3507666.
a b c d Huiqiong Wang, Stephen Lin, Xiaopei Liu, Sing Bing Kang. "Separating Reflections in Human Iris Images for Illumination Estimation." Proc. IEEE International Conference on Computer Vision, 2005.
Pigmentation, the Pilous System, and Morphology of the Soft Parts
[1]
NOAH — What is Albinism?
Dave Johnson. "HOW TO: Avoid the red eye effect", 16-01-2009. Página visitada em 09-01-2010.







Significado da cor dos olhos e sua relação com os extraterrestres

Estimado leitor a beleza da cor dos olhos sempre exerceu fascínio sobre a humanidade. Segundo nossas pesquisas em relação ao assunto até hoje na internet, a cor dos olhos é em parte hereditária, é em parte congênita e dependente da alimentação e da região de nascimento, e nada tem a ver com algum extraterrestre ou planeta de origem que possamos ter tido. Caso voce tenha mais informações, deixe um comentário.


LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Marque uma consulta comigo

Agenda