Google Tag Manager

quinta-feira, 12 de março de 2015

Como acabar com a gagueira









Como acabar com a gagueira


A maneira mais simples é impedir a pessoa de ouvir a própria voz colocando uma musica com fones em volume mais alto, por exemplo. Esta prática deve ser orientada por um fonoaudiólogo.



Aparelho contra a gagueira

Qui, 15 de Setembro de 2011 18:52

Pequeno acessório melhora dificuldades da fala, mas não funciona para todos.

Apesar de a gagueira ser conhecida há milênios, a medicina ainda não desvendou as suas causas nem uma forma de cura-la. Porém tem feito avanços para amenizar as manifestações do problema. A sua última invenção é um pequeno aparelho portátil chamado SpeechEasy, disponível no Brasil desde 2011. 


Semelhante a um dispositivo para surdez, ele também é colocado no interior do ouvido. Mas, em vez de captar outros sons, é regulado para devolver ao usuário o som da sua própria voz ligeiramente modificado e com um leve atraso.

Com as mudanças, o portador da gagueira tem a impressão de ouvir outra pessoa falando simultaneamente. Isso cria o que os especialistas chamam de efeito coral.

 "Quando os gagos falam em uníssono com outros indivíduos, o distúrbio desaparece", explica a fonoaudióloga Bianca Jorge, de São Paulo, que assessora a empresa importadora do aparelho. 

Esse processo tem sido estudado pela Universidade da Califórnia (UCLA).

O acessório portátil não cura a gagueira e tampouco elimina a necessidade de tratamento com um especialista, mas pode ajudar bastante. 

O bibliotecário paulistano Roberto Tadeu da Silva, 38 anos, por exemplo, recorre a ele nas horas mais difíceis. Uma delas foi a defesa de tese. "Falei com tranqüilidade mais de uma hora sem ter receio de gaguejar. Foi um grande auxílio", diz Roberto. 

Infelizmente, uma revisão de artigos científicos alertou para o fato de que o SpeechEasy e outros dispositivos para recriar o tal efeito coral (existem outros maiores, que não são portáteis) não oferecem o mesmo grau de eficácia para todas as pessoas que têm o distúrbio e é difícil prever quem se beneficiará. 

O aparelho só pode ser comprado com a prescrição de um fonoaudiólogo.

Para quem não pode comprar o aparelho existem soluções alternativas. Ouvir musica alta enquanto se fala é uma delas.

Saiba por que:
Fonte: http://www.gagueiraonline.com.br/blog/2011/09/gagueira-audicao-e-controle-motor/

Gagueira, audição e motricidade


Posted by Ignês on set 27, 2011

Pessoas que gaguejam integram som e movimento em parte diferente do cérebro, revela novo estudo.

Ouvir Mozart em alto volume enquanto se recita Shakespeare pode suprimir momentaneamente a gagueira em pessoas que possuem o distúrbio. 


O fenômeno, mostrado no filme vencedor do Oscar 2011 (veja figura), não foi usado na história apenas como um mero recurso de ficção. 

Apesar de efêmero, o efeito quase miraculoso obtido a partir do mascaramento auditivo – nome dado à estratégia clínica de indução de fluência em que a pessoa que gagueja fica impedida de escutar o som da própria voz – é real e indica que a integração das funções auditiva e motora desempenha um papel chave na fluência (ou disfluência) da fala.


Figura:
Lionel Logue aplicando a técnica do mascaramento auditivo em Bertie em cena do filme O Discurso do Rei. 

Efeito obtido com a técnica não é ficcional e indica que a integração das funções auditiva e motora desempenha um papel chave na fluência (ou disfluência) da fala. (clique p/ ampliar)

Ao investigar como se dá a integração auditivo-motora no cérebro de pessoas com gagueira, uma nova pesquisa descobriu algo revelador: em adultos que gaguejam desde a infância, os processos que integram som e movimento estão localizados em uma parte diferente do cérebro quando os comparamos com adultos que não gaguejam. 

A surpreendente descoberta foi publicada na edição de setembro de 2011 da revista científicaCortex.

Dra. Nicole Neef e Dr. Martin Sommer da Universidade de Göttingen, juntamente com a Dra. Bettina Pollok da Universidade de Duesseldorf, estudaram o desempenho de um grupo de adultos que gaguejam, bem como de um grupo controle de adultos que não gaguejam, em um exercício de bater os dedos das mãos em sincronia com um som. 

Eles então usaram estimulação magnética transcraniana para interferir temporariamente com a atividade cerebral no córtex pré-motor dorsolateral (v. fig.) enquanto os participantes batiam os dedos em sincronia com os cliques que estavam ouvindo.


Veja o video a respeito com legendas em português









Em movimentos que dependem de input auditivo, a integração das funções auditiva e motora ocorre no córtex pré-motor dorsolateral.

No grupo controle, a perturbação do córtex pré-motor esquerdo prejudicou a sincronia das batidas, mas a perturbação do córtex pré-motor direito não teve nenhum efeito sobre a tarefa. No grupo de adultos com gagueira, o padrão foi invertido: a precisão da batida foi afetada quando o córtex pré-motor direito estava sendo perturbado; perturbar o lado esquerdo não interferiu na execução da tarefa.

Pesquisas anteriores já haviam mostrado que a gagueira estava relacionada a um fluxo de sangue maior que o normal nas áreas motoras e pré-motoras do hemisfério direito durante a fala. Neste novo estudo, a mudança no local de integração das funções auditiva e motora para o lado direito do cérebro ocorreu mesmo em uma tarefa que não envolvia diretamente a fala.


Assim, no cérebro de adultos que gaguejam, parece ter ocorrido uma profunda reorganização de algumas redes neurais, possivelmente compensando sutis alterações na matéria branca nas regiões frontais inferiores do hemisfério esquerdo do cérebro – o hemisfério naturalmente habilitado a processar fala.

Nas palavras dos autores do estudo:

“Esta descoberta indica uma extensa reconexão neuronal das funções relacionadas à temporalização do movimento em pessoas que gaguejam, dando suporte à hipótese de uma abrangente reorganização neurofisiológica do sistema de controle motor em pessoas que gaguejam. Uma vez que, antes do uso de estimulação magnética transcraniana, o desempenho de ambos os grupos na tarefa não diferiu, sugerimos que o envolvimento aumentado do córtex pré-motor dorsolateral direito em pessoas que gaguejam, ao invés de ser um processo contra-adaptativo, representa na verdade um processo de compensação.”

Este estudo lança mais luz sobre a extensão das alterações cerebrais na gagueira do desenvolvimento persistente, mostra que o distúrbio possui assinaturas neurológicas muito distintas e também evidencia que, futuramente, será possível refinar o diagnóstico da gagueira através de exames que vão além da análise da fala do paciente.




Sobre o pesquisador

Dr. Martin Sommer graduou-se na Faculdade de Medicina de Aachen, Alemanha, em 1996. Depois de estudar em Toulouse (França) e no NIH, em Bethesda, Maryland (EUA), ele se estabeleceu na Universidade de Goettingen, Alemanha, onde fez residência em Neurologia e aprimorou sua formação científica. Atualmente, é consultor e professor do Departamento de Neurofisiologia Clínica da Universidade. Seu foco clínico e de pesquisa é a fisiologia do movimento, particularmente no Parkinson e na distonia. Sendo uma pessoa que gagueja, ele emprega ferramentas de neuroimagem e ensaios neurofisiológicos, como a estimulação magnética transcraniana, para elucidar a fisiopatologia da gagueira persistente. Foi ele o responsável pela primeira forte evidência de uma causa física para a gagueira, quando, em 2002, documentou a existência de rupturas microscópicas na matéria branca no hemisfério esquerdo de pessoas que gaguejam, em estudo pioneiro publicado na revista Lancet. Atualmente, Sommer atua como vice-presidente da Associação Alemã de Gagueira. E-mail para contato: msommer@gwdg.de

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Marque uma consulta comigo

Agenda