Google Tag Manager

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Quem sao os Maoris

Quem são os Maoris

Fonte: http://www.estudenovazelandia.com.br/cultura/o-povo-maori-nativos-da-nova-zelandia/

Os Māoris

Tangata Whenua ou em inglês “indigenous people of the land”. O nome “Māori” originalmente significava “a população local”, ou “o povo original”.
Māori foi uma palavra que significava “local” ou “original” – em oposição aos recém-chegados – colonizadores brancos Europeus – os “Pakeha”. Com a chegada dos colonizadores Europeus, a palavra Māori gradualmente se tornou um adjetivo para o “povo Māori”. Esta mudança ocorreu antes de 1815.
Tangata Whenua significa “o povo local”, “o povo local da terra”, “o povo local da terra ancestral”. Tangata significa “ser humano”, whenua significa “terra” ou “terra ancestral”.
A palavra “Māori” é escrita com acentuação gráfica quando escrita na liguagem Maori, quando escrita em português ou inglês, a palavra não utiliza acentuação.

A História Maori

Os Maoris são o povo indígena da Nova Zelândia, eles são Polinésios e compreendem cerca de 14 por cento da população do País. Maoritanga é o idioma nativo, que está relacionado ao Taitiano e o Havaiano. Acredita-se que os Maoris migraram da Polinésia em canoas por volta do século 9 ao século 13 dC.
O navegador holandês Abel Tasman foi o primeiro Europeu a encontrar o Maori. Quatro membros de sua tripulação foram mortos em um confronto sangrento em 1642.
Em 1769, o explorador Britânico James Cook estabeleceu relações amistosas com alguns Maoris. Por volta de 1800, as visitas de navios Europeus eram relativamente freqüentes.
Neste momento, a guerra e as doenças tiveram seus efeitos sobre a população Maori, que eventualmente, caiu para cerca de 100.000.
Em 1840, representantes da Grã-Bretanha e os chefes Maori assinaram o Tratado de Waitangi. Este tratado estabeleceu o domínio Britânico, concedeu a cidadania Britânica aos Maoris, e reconheceu os direitos à terra aos Maoris.
Hoje, muitas das disposições do Tratado são contestadas pelos Maoris e há um esforço do Governo da Nova Zelândia para recompensar os Maoris pela terra que lhes foi ilegalmente confiscada.
A atual população Maori é de cerca de 600 mil, ou 14% da população, e os Maoris vivem em todas as partes da Nova Zelândia, mas predominantemente na Ilha do Norte, onde o clima é mais quente.

A origem Māori

A lenda Māori diz que os Maoris vieram de “Hawaiki”, a lendária terra natal cerca de 1000 anos atrás. Quando os Maoris chegaram em Aotearoa (Nova Zelândia) encontraram uma terra muito diferente da Polinésia tropical. A Nova Zelândia não era apenas um País mais frio, mas também possuía muitos vulcões e imensas montanhas cobertas de neve. Aotearoa é o nome Māori para a Nova Zelândia e significa “Terra da longa nuvem branca”.
Existem muitas teorias sobre as origens dos Maori. Alguns especulam que a ilha de Hawaiki poderia ter existido perto do Havaí. A teoria geralmente aceita, hoje, diz que os Maori tiveram origem na China, e viajaram através de Taiwan, as Filipinas, a Indonésia, Melanésia e chegaram em Fiji. De lá para Samoa e às ilhas Marquesas e rumando para o Sul e Oeste até o Taiti, seguindo depois para as Ilhas Cook e para Aotearoa / Nova Zelândia.
O antropólogo Thor Heyerdahl, por outro lado, afirma que os polinésios chegaram no Pacífico vindos da América, ao invés do Oriente, como outros estudiosos afirmam. Heyerdahl baseia sua teoria no fato de que a Kumara, batata doce cultivada pelo Maori pré-europeu, é originário da região da América Central e do Sul.
Alguns acreditam que os Maoris encontraram Aotearoa provavelmente por acaso ou engano como se eles pudessem ter sido desviados da rota em uma de suas navegações. Mas há também evidências de que os Maoris tinham conhecimento antigo sofisticado das estrelas e as correntes oceânicas, e esse conhecimento é esculpido em suas “whare” (casas).
O termo “Whakapapa” é usado para descrever a genealogia Maori. A palavra “Papa” não quer dizer pai, mas sim algo amplo, plano e duro como uma rocha lisa. Whakapapa significa colocar em camadas, e esta é a maneira que as diferentes ordens de genealogias são olhadas. Uma geração a outra. O termo Māori para descendente é “uri”, e o seu significado preciso é prole ou filhos.

Tradições Māori

Antes da vinda do Pakeha (Homem branco) para a Nova Zelândia, toda a literatura em Māori era passada oralmente para as gerações seguintes. Isto incluiu muitas lendas e “waiata” (canção). A tradição mais reconhecida hoje é a “Haka”, que é uma dança de guerra.
A Haka era realizada antes do início da guerra pelos Maoris do século passado, mas foi imortalizada pelo time de Rugby da Nova Zelândia os “All Blacks”, que executam esta dança antes de cada jogo.
O tradicional ato de boas-vindas Maori é chamado de “powhiri”, isso envolve um “hongi” que é uma saudação que envolve o toque de narizes pressionados em oposição como um beijo de esquimós.
Outra característica marcante da cultura Maori são as tatuagens marcantes que eram usadas. O rosto completamente tatuado ou “moko”, entre as tribos Maoris era uma atividade predominantemente masculina.
As formas femininas do moko estavam restritas à área do queixo, do lábio superior, e das narinas.
Hoje, o Moko ainda vive com um número crescente de Maori, que optam por receber o seu Moko, em um esforço para preservar sua cultura e identidade.
A forma tradicional de cozinhar chamada de “Hangi” é uma festa cozida sob a terra. As pedras são aquecidas no fogo em um buraco escavado no chão e cobertas de folhas de couve ou agrião para evitar queimar o alimento.
Carneiro, porco, frango, batatas e kumera (uma batata doce) são então inusitadamente colocados no buraco dentro de uma cesta. O alimento é coberto com um pano de carneiro ou similar e tradicionalmente com linho. Finalmente terra é colocada em cima para manter o vapor. O alimento leva cerca de três horas para cozinhar.
O Hangi ainda é popular e é uma alternativa viável para um churrasco de fim de semana. O sabor original dos alimentos cozidos em um Hangi pode ser melhor descrito como o alimento cozinhado com um sabor da terra.
O Hangi pode ser entendido como um forno natural feito em um buraco sob a terra, para o cozimento dos alimentos pelo vapor.

Cultura Rica e Variada

A cultura Māori é rica e variada, e inclui artes tradicionais e contemporâneas. As artes tradicionais, tais como escultura, tecelagem, kapa haka (dança de grupo), whaikorero (oratória) e moko (tatuagem) são praticadas em todo o país.
Os praticantes seguindo os passos de seus tipuna (ancestrais) repetem as técnicas utilizadas há centenas de anos, e também desenvolvem novas técnicas e formas emocionantes. Hoje a cultura Māori também inclui a arte, cinema, televisão, poesia, teatro e hip-hop.

Māori Protocolo

Sendo um povo tribal da Polinésia, Māori tem um protocolo único. O melhor lugar para observá-lo está em um “Marae” (local de encontro Māori). Na Nova Zelândia é possível se organizar visitas para se assistir a uma cerimônia Māori em um Marae.

Bem vindo ao Pōwhiri

O “pōwhiri” (formalidade de boas-vindas) em um Marae começa com “Wero” (desafio) Um guerreiro dos “tangata whenua” (anfitriões – nativos locais) vai desafiar um dos “manuhiri” (convidados). Ele carregará uma lança (taiaha), em seguida, estabelecerá um símbolo (muitas vezes um pequeno ramo) que o manuhiri vai pegar para mostrar que eles vêm em paz. Algumas “kuia” (mulheres) dos “tangata whenua” (anfitriões – nativos locais) irão realizar uma “Karanga” (canto de chamada) para o manuhiri. As mulheres dos manuhiri irão então responder na medida em que elas se movem para o Marae na frente de seus homens.

Whaikorero - Discursos de boas-vindas

Uma vez dentro do “wharenui” (casa de reunião) no “Marae”, “mihimihi” (saudações) e “whaikorero” (discursos) são feitos. Para reforçar a boa vontade dos discursos, “waiata” (músicas), podem ser cantados. É usual para os “manuhiri” então dar um “Koha” (presente) à “tangata whenua” depois de cumprimentar os anfitriões com um “Hongi” – o cerimonial de toca de narizes. Após o pōwhiri (formalidade de boas-vindas), kai (comida) pode ser compartilhada.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Marque uma consulta comigo

Agenda